Buscar
  • Karen Bassi

O que é a hérnia de disco? Devo me preocupar?

Alguns pacientes já apresentaram dores constantes na coluna lombar ou cervical, e como a maioria, foram orientados a fazer um exame de imagem para verificar a presença de alguma questão no disco. Muitos não encontram nada, outros algo bem simples que não justifica a dor, e outros, realmente a hérnia.


Para explicar sobre a hérnia, vou iniciar com o disco. Cada vértebra da nossa coluna tem um disco intervertebral entre elas. Gosto de falar que esse disco é igual o chiclete bubbaloo: tem uma camadinha grossa por fora, e líquido por dentro. Você já deve ter ouvido de um ortopedista que seus disco estão "pouco hidratados". É quase esse líquido de dentro começa a diminuir a sua produção e na ressonância fica escuro. Dificilmente alguém sente dor por essa causa.


Outro achado é quando a parte externa do disco, que é durinha (pense no chiclete) fica um pouco rachadinha ou cria uma pontinha. É o tal abaulamento ou protusão discal. Aqui já pode surgir dor na coluna, mas novamente, não é uma regra. Pode ser que você tenha uma protusão e não sinta desconforto.


A hérnia então é quando esse camada externa perde a capacidade de conter o líquido que fica lá dentro e ele extravasa. Chamamos de extrusão discal. O que causa a dor em quem tem essa extrusão é o que ela faz. Ela pode comprimir raiz nervosa que sai daquele nível vertebral causando dor local ou até irradiação. Normalmente ela melhora sozinha em torno de 3 a 6 meses, mas cada um terá uma experiência diferente.


Quando devo me preocupar? Se a dor não melhora, e a única coisa que ajuda é o uso de medicamento, talvez seja o momento de procurar atenção. O trabalho a ser feito é todo voltado para a analgesia local, com condutas antiinflamatórias e muita, muita estabilização/ativação muscular.


Lembrando: nem todo mundo que tem dor lombar, tem hérnia. E nem todo mundo que tem hérnia, tem dor lombar. Cada indivíduo tem o seu processo. Cuide-se!

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Quando o paciente me procura, é evidente que meu foco vai para a parte anatômica e física do problema. Mas quando ouço "Estou com dor pra brincar com meu filho"; "estou com dor pra correr e tenho uma